Carreira de medicina: 5 coisas que você aprende sendo um médico

A carreira de medicina apresenta desafios diários para os profissionais, sendo que o atendimento é um dos mais importantes. A busca por agilidade e eficiência no início de carreira muitas vezes acaba impedindo que você dedique o tempo e foco necessários para que os pacientes se sintam acolhidos durante a consulta.

Mas com o tempo, você chega à conclusão do que é mais importante para manter pacientes felizes e satisfeitos: um bom relacionamento. E você, o que aprendeu até aqui? Será que outros profissionais compartilham das mesmas experiências? Descubra 5 coisas que você aprende sendo médico!

1. Atendimento Humanizado

Muito se fala sobre o atendimento humanizado e como ele é muito importante para o desenvolvimento da carreira de medicina. Esse conceito nada mais é do que a sensibilidade no trato com os pacientes.

Colocar-se no lugar da pessoa que está bem à sua frente e buscar entender como ela se sente, tanto física quanto emocionalmente, é essencial para uma carreira de sucesso. E isso só se aprende com a prática.

Prestar um atendimento humanizado também é ser resiliente, especialmente em situações de urgência e emergência. A preocupação da família do paciente e a pressão por notícias, por exemplo, não pode ser levada à mal.

Você tem que manter a postura, o profissionalismo e, principalmente, a paciência. E como essas características são desenvolvidas? Com muito esforço e dedicação, com a experiência que a carreira de medicina traz.

Paciência, como você imagina, para escutar mesmo quando muitas vezes você já sabe tudo o que a pessoa (ou sua família) irá dizer. Ou então para explicar várias e várias vezes a condição do paciente, até que todos estejam tranquilizados.

Também é necessário ter empatia para entender quando paciente ou família agem com raiva ou medo, por exemplo. A saúde é um dos bens mais importantes de qualquer pessoa e, quando colocada em risco, gera incertezas.

A habilidade do médico em lidar com esses fatores é que determina se ele sabe prestar um atendimento humanizado ou não.

2. Gestão de Pessoas

Ao longo do curso de medicina você estuda tudo sobre a prática profissional, mas nada — ou quase nada — sobre a gestão de pessoas. Todavia, independentemente se você possui apenas uma secretária ou lidera uma grande equipe em um hospital, essa é uma habilidade muito importante.

Trabalhar em equipe é uma arte e, para isso, é preciso ter a mesma dose de paciência que você utiliza com seus pacientes. Orientar ao invés de mandar e falar calmamente com cada profissional, sem se exaltar na frente dos pacientes, fazem parte de um bom atendimento.

As palavras “por favor” e “obrigado”, por exemplo, são determinantes no relacionamento com a sua equipe e refletem sua imagem como médico. Afinal, se você é grosseiro com uma enfermeira, também pode ser com o paciente, e isso é notado por quem está à sua volta.

3. Comunicação clara e objetiva

No início da carreira de medicina, é normal o médico ficar nervoso na hora de falar com o paciente ou com a família. Diagnósticos difíceis de serem comunicados geram gagueira, suador e até certa confusão na hora de explicar exatamente como será realizado o tratamento.

Esse tipo de situação costuma reduzir com o tempo, pois você ganha maturidade para lidar com as situações difíceis do dia a dia e também aprende a não se envolver emocionalmente com os pacientes.

A comunicação se torna clara e objetiva, sem abertura para inseguranças tanto da sua parte quanto do paciente e da família. Com uma comunicação mais assertiva, você passa credibilidade aos pacientes e conquista a confiança da família, podendo desenvolver um trabalho de maior qualidade.

4) Pensamento estratégico

O pensamento estratégico não está ligado apenas à gestão de uma clínica, mas também à forma com que você lida com as mais diferentes situações. Imagine que acontece um acidente grave próximo ao local onde você trabalha e vários pacientes chegam até você. O que fazer para organizar o atendimento? Como priorizar cada caso?

A experiência que a carreira de medicina traz faz toda a diferença em um momento como esse. Acionar um recepcionista ou uma enfermeira para triar os casos mais urgentes, mobilizar outros profissionais para o atendimento, liberar espaço para que os atendimentos sejam realizados de forma ágil e eficiente fazem parte do pensamento estratégico de um profissional de medicina.

Mesmo que a situação não seja de emergência, você também aplica o pensamento estratégico no dia a dia da profissão. A disposição dos materiais cirúrgicos de forma que estejam ao seu alcance durante a cirurgia demonstra pensamento estratégico; a disposição de equipamentos de exames para os procedimentos sejam realizados com maior agilidade também.

5) Tecnologia como aliada

Se tem uma coisa que aprendemos ao longo da carreira de medicina é como a tecnologia é uma importante aliada no atendimento. Você imagina a sua vida sem um smartphone ou tablet para consultar o código de algum procedimento no CID10, ou checar rapidamente a bula de um medicamento para preencher uma receita, por exemplo?

Isso sem contar com as facilidades que ferramentas de mensagens instantâneas, e-mail e uma dezena de outros recursos oferecem para facilitar a comunicação com os pacientes e tornar a sua rotina menos extenuante.

Também podemos citar o prontuário eletrônico do paciente, o aviso automático de consultas via SMS e a agenda na nuvem integrada com marcação de consultas online, que automatizam processos e atividades, melhoram a velocidade com que o atendimento é feito e garantem maior qualidade nos serviços prestados.

Quando você ingressou na carreira de medicina, certamente não tinha noção do quanto a tecnologia pode facilitar as tarefas do seu dia a dia.

Consegue pensar em outros aprendizados que você teve até aqui? Compartilhe suas impressões conosco e aproveite para compartilhar as nossas com seus colegas!

Rafael Américo

Rafael Américo

Rafael trabalha com Inbound Marketing na Vitta, produzindo conteúdos voltados para a geração e nutrição de leads. Jornalista, se especializou em economia, negócios e empreendedorismo. Ama cinema, aprender idiomas e conhecer novas estratégias de comunicação. Quer ajudar a Vitta a mudar a saúde do Brasil! #somostodosvittanos

2 Comentários

  • Dr. Juliano Queiroz
    5 de dezembro

    Meu principal aprendizado como médico foi me tornar uma pessoa melhor. Com essa vivência diária, percebemos a fragilidade da vida.

    • Rafael Américo
      7 de dezembro

      Que bacana saber disso, Juliano. Com certeza esse é o principal aprendizado da medicina!

Deixe o seu comentário